Resenha: Game of Thrones – Temporada 8 Episódio 5

Como era de se esperar, os ciclos começam a se fechar. Afinal, estamos no penúltimo episódio da última temporada.

Essa é uma resenha com spoilers.

A continuação das loucuras…

O episódio começa com Varys escrevendo cartas, pronto para expor ao mundo a ascendência Targaryen de Jon Snow. Seu objetivo é impedir que Daenerys chegue ao trono. O problema é que ele contou seus planos a Tyrion, que é fiel a rainha, portanto o eunuco é morto por sua traição.

“Eu não tinha como saber que o servo mais fiel da rainha exporia meus planos de traí-la!”

Em Porto Real, vemos que Cersei se preparou para o combate contra a Mãe dos Dragões. A cidade está cheia de inocentes, que ela pretende usar como escudos humanos. Além disso, tanto nas muralhas quanto na frota estacionada no porto, todos estão armados com enormes Escorpiões, as armas que mataram um dragão no episódio anterior. Para terminar a defesa, Cersei deixa os mercenários da Companhia Dourada do lado de fora da Muralha para dar combate a Daenerys.

“Eu entendo que é um costume local lutar do lado de fora, mas ainda acho contraproducente”

Davos explica para Jon Snow e Daenerys que, se os sinos da cidade tocarem, isso significa que Cersei se rendeu e que eles podem parar o ataque.

Jon: “Beleza, saquei, sinos tocando, treta parando”

Tyrion explica para Daenerys que se os sinos da cidade tocarem, isso significa que Cersei se rendeu e que eles podem parar o ataque.

Verme Cinzento: “Entendi, no badalo do sino a paz eu assino”

Tyrion, num ato de traição com sua rainha, solta Jaime para que ele possa entrar na cidade e convencer Cersei a se render, explicando que ele precisa tocar os sinos para informar que a cidade se rendeu.

Tyrion: “Você precisa tocar os sinos Jaime! É a terceira vez que falamos disso nesse episódio, então é óbvio que não vai funcionar, mas você precisa!”

Ninguém contava que os Escorpiões, os mercenários e os navios não teriam utilidade alguma contra Drogon, o dragão de Daenerys. Incansável, ele desce do céu, queima a frota, queima os Escorpiões na muralha, derruba a muralha e desmonta a defesa da Companhia Dourada.

SoldadoDispensável1: “Você ficou sabendo? Demitiram os caras que derrubaram o dragão!
SoldadoDispensável2: “Por que? Eles eram os melhores!”
SoldadoDispensável1: “O Eurão falou que foi pedido de um tal de D&D… não entendi bem”

Com isso, seu exército invade a cidade e Qyburn, Mão de Cersei, sugere que eles toquem os sinos para sinalizar a rendição. A rainha, uma das maiores estrategistas da trama, não tinha uma estratégia. Depois de alguma hesitação, ela topa tocar os sinos.

Cersei: “Pode tocar, não vai mudar nada mesmo”

Daenerys ignora os sinos e parte para a destruição da cidade como um todo. Leva Drogon para o alto e começa a queimar civis e soldados sem distinção.

Dany: “Como era mesmo? Sinos tocando, pessoas queimando? Era isso né?”

Arya e Cão de Caça se esgueiram para a fortaleza de Cersei. Após passar a série toda sonhando em matar a rainha, Arya é dissuadida por seu companheiro com um “olhe para mim, isso não vai levar a nada”.

Sandor: “Não temos muito tempo Arya. Você precisa mudar de opinião no diálogo mais apressado da temporada!”

Qyburn sugere que Cersei vá se esconder na parte baixa da fortaleza. Na descida até lá, são surpreendidos por Cão de Caça. Sor Gregor, o guardião da rainha e irmão de Cão de Caça, desobedece as ordens recebidas, mata Qyburn e parte para o combate contra o irmão, enquanto Cersei desce as escadas. Ambos morrem ao cairem no abismo em direção ao fogo.

“Os visuais são bons, mas a ação é fraca e a história não tem sentido” – Resumo da oitava temporada

Jaime tenta se encontrar com Cersei, mas é surpreendido no caminho por Euron, que sobreviveu a queima de seus navios.

“Ae, MATADOR DE REIS. Eu sou REI hein?! Preciso falar em voz alta porque os expectadores não lembram, mas eu SOU UM REI E ESTOU ENFRENTANDO O MATADOR DE REIS”

Após um combate confuso, Jaime consegue matar Euron cumprindo sua alcunha de Matador de Reis, mas é ferido mortalmente no processo.

“Eu nem vou contar isso para ninguém… o único rei que eu matei foi o louco hein galera!”

Jaime se encontra com Cersei sob uma fortaleza caindo aos pedaços, eles se abraçam e o teto cede. Morrem juntos.

E o prêmio de pior morte vai para….

Arya consegue sobreviver, mesmo com Drogon matando 99% da população da cidade.

“Não tem como ninguém sair vivo dali!
“Arya está a pé, ela nunca vai sair viva”
Sério, de onde veio o cavalo?

…sem nenhuma chance de redenção

Meu receio de que a série caminharia para “Dany ficou louca, precisamos impedi-la” virou uma realidade. O poço não tem fundo mesmo.

Como os Escorpiões, tão efetivos no episódio anterior, simplesmente perderam a eficácia? Como Cersei não tinha uma plano de contingência? Como Jon continua sem fazer nada em momento nenhum?

Essa imagem representa tudo que Jon Snow fez depois de ser ressucitado

Não temos resposta para essas questões.

Ainda ficamos na dúvida sobre quem vai ficar no trono (afinal, Dany vai morrer no próximo episódio, com certeza), mas tudo ficou agora sem tanto sentido

Compartilhe!

1 resposta a “Resenha: Game of Thrones – Temporada 8 Episódio 5”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *